Tudo na base da carona, do enrolation e do faz de conta

0
119

Para uma cidade que na maioria dos indicadores positivos fica atrás apenas de Petrolina, quando falamos da região do Sertão do Estado, é inadmissível que existam tantos problemas básicos sendo varridos para debaixo do tapete. A qualidade do asfalto do IPSEP, as praças construídas e as reformas promovidas, além de outras obras da atual gestão, tem erguido um leque de problemas para a próxima administração, a herança não será nada fácil de ser administrada.

O município interditou o CIST (Clube Intermunicipal De Serra Talhada), porém nenhuma obra para restauração do espaço ou adequação para que se fosse utilizado para outros fins, foi realizada. Muito alarde e pouco serviço. O anel viário, que apresenta avarias, como se percebe a olhos nus, uma obra de qualidade muito ruim, além de ter entrado no radar da Controladoria Geral da União como uma licitação vencida por uma empresa de fachada e a obra tocada por outra empreiteira.

As dezenas de poços artesianos perfurados durante o período eleitoral de 2016 e, que em sua maioria, nunca foram instalados. Serviram somente para amarrar o voto das famílias beneficiadas, um verdadeiro crime, um estelionato eleitoral. Agora o governo anuncia que conseguiu quase 1 milhão de reais para novas perfurações e instalações, quem sabe dezenas de poços perfurados e não instalados sejam final entregues, claro as portas do processo politico de 2020. O que evidencia o compromisso dessa gestão com o político-partidária e não com a administração pública. Suas prioridades não são a boa aplicação do erário, nem o pleno funcionamento do que entrega, mas com o burburinho que causa, com as manchetes e pseudo ideia de eficiência. O que se desmancha pouco tempo depois quando o cidadão não enxerga bom sendo, boa vontade, nem lógica no que está sendo construído.

Faltando menos de dois anos para o fim do seu mandato, o prefeito ainda não despertou dos seus sonhos megalomaníacos, insiste no erro crasso de contar com o futuro, ou porque não compreende o compasso das horas e da dança do tempo ou porque prefere encher linguiça do que mostrar sua inercia a frente de um município tão importante e poderoso, como o nosso. Como a cidade nunca teve uma gestão eficiente, segue baseando-se na menos ruim, logo o modelo atual tem alguma chance de ser bem avaliada, apesar do fracasso absoluto quando se fala em custo benefício. A prova de que não é nada moderna e austera são as contas rejeitadas pelo TCE.

Não dá para a segunda cidade mais importante do Sertão do estado viver de pinturas de meio fio, de obras meia sola, de discursos de fotos e faz de conta. O que vem de mais vultuoso é pelas mãos da inciativa privada e mesmo com uma arrecadação própria considerada espetacular, não tem uma guarda municipal adequada, as obras são de baixa qualidade, não tem um parque, não tem monitoramento, não há tratamento de esgoto, enfim, meu amigos e amigas, se tirar as alegorias dessa troça carnavalesca, pouca coisa vai ficar, senão a sensação de 8, quiçá 16 anos, ou porque não dizer 20 anos, literalmente jogados fora.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here